17 de maio de 2018 às 02:00

Os sofridos pés dos idosos

Todos o tratam mal. A preocupação é maior com a beleza do calçado do que com o bem-estar do pé. Com o tempo, surgem as consequências.

Todos o tratam mal. A preocupação é maior com a beleza do calçado do que com o bem-estar do pé. Com o tempo, surgem as consequências.

Deformidades nos pés podem ter como origem alterações congênitas ou sapatos inapropriados, que provocam dor e possíveis quedas. 

Os problemas nos pés, como explica Amy Muchna, da Faculdade de Medicina da Universidade do Arizona, EUA, afetam a eficiência do modo de deambulação pela alteração na biomecânica da marcha. Essa modificação aumenta o gasto de energia e leva rapidamente à fadiga, no caso de idosos.

Estudo de Muchna e colaboradores publicado no Journal of the Podiatric Medical Association deste mês, sobre problemas nos pés de idosos, refere que a dor nos pés ocorre em cerca de 24% desse grupo populacional levando a desequilíbrio na forma de andar e risco de queda.

Anualmente, segundo as estatísticas dos autores, cerca de um terço dos adultos com mais de 65 anos de idade e mais da metade dos acima dos 80 sofrem quedas.

A dor nos pés também pode estar relacionada a comorbidades, como diabetes e neuropatia (nervos periféricos afetados), resultando em menor velocidade na caminhada, passos curtos, balanço de corpo aumentado, pessoa fragilizada e risco de tombos. 

Uma intervenção precoce para aumentar a mobilidade e estabilidade do idoso reduz o risco de quedas, resolve o problema dos pés e melhora a qualidade de vida.

Fonte: FOLHA

comentários

Estúdio Ao Vivo